Parentes de morto em Manguinhos afirmam que ele foi baleado por sniper da Polícia Civil


De acordo com o Extra, parentes de um homem morto em Manguinhos, na Zona Norte do Rio, na noite desta terça-feira afirmam que ele foi baleado por um sniper da Polícia Civil. O tiro teria partido de uma torre que fica dentro da Cidade da Polícia. Rômulo Oliveira da Silva, de 37 anos, foi levado para a UPA de Manguinhos logo após ter sido baleado, na noite desta terça-feira (29), na localidade conhecida como Coreia, mas não resistiu ao ferimento. O tiro atingiu o peito de Rômulo.

Segundo parentes, ele trabalhava como porteiro da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz).

— Eles atiraram em um inocente, trabalhador, pai de família. Ia completar um ano no emprego na Fiocruz no próximo sábado. Não havia troca de tiros na hora. Todas as pessoas que viram tudo e socorreram ele disseram que o tiro veio da Cidade da Polícia — afirma uma parente da vítima, que pediu para não ser identificada.

Os parentes organizam uma manifestação em frente à UPA de Manguinhos. No início da noite desta quarta-feira, moradores de Manguinhos fazem um protesto em frente à Cidade da Polícia.

Policiais militares acompanharam a manifestação, que chegou a fechar a Avenidados Democráticos por cerca de 20 minutos.

De acordo com Leidelene de Oliveira, de 22 anos, irmã de Rômulo, contou como o porteiro foi atingido:

— Ele ia levar a moto para o borracheiro quando foi baleado no peito. Não tinha tiroteio na hora, nem gente armada na rua.

A Secretaria de Polícia Civil afirmou, por meio de nota, que "não autorizou nenhuma ação de snipers de dentro da Cidade da Polícia". Segundo a secretaria, a Delegacia de Homicídios abriu inquérito para investigar o caso. Ainda de acordo com a secretaria, agentes estão em busca de testemunhas e imagens de câmeras que podem auxiliar na investigação.

Leia mais em Jornal Extra

Comentários :